Ainsa

Nome da trilha e descrição

Nível de dificuldade e escala de caminhada

E (Para mais informações dê uma vista de olhos aqui).

Duração

4.40 horas

Distância

14,13 km

Pontos de refrescamento

sem fontes de água ao longo do caminho

Abrigos

Guaso esconjuraderos

O melhor período para caminhadas

Ao longo de todo o ano é possível caminhar com o melhor período a ser de finais de Junho a meados de Setembro.

clima

Em Ainsa, os Verões são quentes, secos e na sua maioria claros e os Invernos são muito frios e parcialmente nublados. Durante o ano, a temperatura varia geralmente de 1 °C a 27 °C e raramente desce abaixo de -4 °C ou sobe acima de 31 °C.

Como chegar ao ponto de partida

A partir de Huesca, apanhar a A-22 até Barbastro e depois a A-138 até Ainsa. Muito perto do parque de estacionamento público existe uma pista, inicialmente asfaltada, procurando sinais indicando o ermitério da Virgen de los Palacios.

Equipamento e material necessário

Deve trazer na mochila: uma garrafa de água, uma vez que nem sempre é possível abastecer-se de água no caminho, um chapéu, corta-vento, tudo o que considerar indispensável a nível pessoal, lembrando-se de não tornar a mochila desnecessariamente pesada. Calçado para caminhadas.

Download file: AINSA A GUASO CIRCULAR POR SELVA NORTE - SIERRA DE PARTARRA.gpx

A lenda da Cruz de Sobrarbe conta que no ano 724, o rei Garcí Ximénez conquistou a aldeia aos muçulmanos graças à força que lhe foi dada pelo aparecimento de uma cruz ardente no topo de uma azinheira.
Apesar do facto de muitos historiadores duvidarem da sua veracidade, ainda é lembrada com a celebração de La Morisma de dois em dois anos.
O castelo de Aínsa remonta ao século XI. Fez parte da linha de defesa dos territórios cristãos (uma linha que se estendeu até Abizanda), e tornou-se o embrião da cidade, que na Idade Média foi amuralhada, e tornou-se a capital do condado de Sobrarbe, que pertencia ao reino de Aragão.

Guaso esconjuraderos: os esconjuraderos são um elemento característico da cultura e tradições dos Pirinéus. A sociedade de montanha lidou com aspectos do tempo com as mesmas superstições e práticas que noutros aspectos da vida quotidiana. Estes foram um espaço importante do qual o padre e a população invocaram para desviar ou desfazer as tempestades ou trovoadas que poderiam estragar os campos e as culturas. É por isso que estes edifícios estão localizados em pontos onde existe uma ampla vista panorâmica do horizonte.

  • Castelo de Ainsa
  • Igreja de Santa Maria
  • Ainsa Plaza Mayor
  • Ponto de vista sobre um local de alimentação de abutres
  • Ermida da Virgen de los Palacios
  • Igreja do Guaso
  • Guaso esconjuraderos.
  • Rio Ena
  • Rio Ara

Casa Alfonso

A cozinha tradicional é marcada pela sua localização no coração dos Pirinéus de Huesca, com pratos saborosos que ajudam a resistir às baixas temperaturas de Inverno.

A carne de vaca, porco e borrego são as mais populares, embora também se possam encontrar pratos feitos com carne de caça.

O castelo de Ainsa abriga o eco-museu da fauna que é dedicado ao abutre barbudo, uma ave que está em perigo de extinção.

Nos arredores de Aínsa encontra-se o local de alimentação dos abutres, um espaço reservado para a alimentação dos abutres que vagueiam pela zona. Os restos das carcaças das empresas de carne da zona são atirados para lá, e os abutres são responsáveis pela sua eliminação de uma forma ecológica que não é prejudicial ao ambiente.

Uma das curiosidades das casas na parte antiga de Aínsa são as maçanetas das portas. Muitas delas têm uma forma fálica, como um amuleto, com a intenção de atrair a fertilidade para a casa.

O rafting é uma das melhores actividades desportivas que se pode fazer em Ainsa, uma vez que tem dois rios perfeitos para ele. Por um lado o Ara, e por outro lado o Cinca, dois rios montanhosos com uma confluência em Ainsa.

Use osl links:

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *