Ilha de Caprera, caminhadas entre o céu e o mar

Nome da trilha e descrição

Nível de dificuldade e escala de caminhada

E (Para mais informações dê uma vista de olhos aqui).

Duração

cerca de 3 horas

Distância

Distância de ida e volta: 3,2 km

Pontos de refrescamento

Nenhum

Abrigos

Nenhum

O melhor período para caminhadas

Durante todo o ano. Para excursões, recomenda-se os períodos mais frescos da Primavera e Outono, enquanto no Verão é preferível caminhar pelos caminhos durante as primeiras horas da manhã, para evitar as altas temperaturas da parte central do dia.

clima

principalmente ventoso, quente e ensolarado

Como chegar ao ponto de partida

de autocarro local ou de carro/bicicleta privada. Contudo, o ponto de partida é a uma distância a pé da aldeia de La Maddalena (cerca de 6 km).

Equipamento e material necessário

Sapatos confortáveis para caminhadas/trilhos, uma pequena mochila, um binóculo, uma câmara fotográfica e pelo menos 1,5 litros de água. Em tempo quente é sugerido transportar ainda mais água.

Download file: Cala Coticcio.gpx

*O mapa dos trilhos está disponível no Gabinete de Turismo em La Maddalena ou pode ser descarregado gratuitamente lendo o código Q mostrado nos quadros ilustrativos no início de cada trilho.

**Este caminho necessita da presença de um guia autorizado. Para preços e disponibilidade contacte o “Ente Parco La Maddalena”.

Caprera é uma ilha que, embora não seja particularmente extensa, tem um desenvolvimento costeiro de 45 km e oferece actualmente 16 caminhos bem sinalizados que permitem uma fruição lenta imersa na natureza deste fantástico paraíso sardo. Por esta razão, Caprera pode ser definida como uma verdadeira ilha de caminhadas, à qual a natureza também deu a beleza de uma costa incomparável. A Geomorfologia do território é caracterizada por rochas graníticas que o vento e a erosão marinha moldaram em formas sugestivas e únicas, tornando-as em verdadeiros monumentos naturais. Por esta razão e pelas cores particulares da água em redor das ilhas, o arquipélago é considerado uma das paisagens mais evocativas do mundo.  

A origem do arquipélago remonta à última glaciação, quando as águas cobriram as depressões deixadas livres pelo desmoronamento natural do granito, do qual os pontos mais altos permaneceram visíveis, formando o arquipélago de La Maddalena, do qual Caprera faz parte.

Os primeiros habitantes instalaram-se nestes locais no período Neolítico (10.000-3.500 a.C.).

Desde os tempos antigos e durante vários séculos, a zona tem sido um porto de escala intermédio para o tráfego comercial no Mediterrâneo.

Durante a Idade Média, o arquipélago foi frequentado por pastores e pescadores ligurianos, toscanos e camponeses, atraídos por belos corais dos seus fundos marinhos.

Entre Outubro de 1803 e Janeiro de 1805, a frota inglesa parou várias vezes nas águas calmas da baía de La Maddalena, de onde era mais conveniente guardar a frota Bonapartista, ancorada no porto de Toulon.

Desse período resta um kit de altar (dois castiçais e um crucifixo de prata) doado pelo Almirante Horace Nelson a 18 de Outubro de 1804, no final da penúltima das suas oito paragens no arquipélago, como sinal de estima pelos habitantes. O presente foi acompanhado por uma carta de autógrafo, também guardada no museu “Diocesano”, com a qual agradeceu a hospitalidade recebida. A carta de resposta foi guardada no Museu Britânico.

A baía foi também testemunha dos acontecimentos da Segunda Guerra Mundial, dada a presença maciça de navios.

Perfeitamente camuflados com o ambiente, há também vestígios do passado militar da ilha, com as ruínas dos postos de vigia, que asseguraram a descoberta de possíveis ameaças aos navios ancorados na baía.

A cultura local está profundamente relacionada com as origens marítimas e pastorais da população.

Existe também uma profunda ligação com a Marinha italiana que aqui tem uma Escola para a formação de oficiais subalternos.

“Cala Coticcio” é um pequeno paraíso dentro do Parque. Uma vez que esta bela área particular está localizada dentro da reserva integral (área Ta), só pode ser visitada num número limitado, por um tempo limitado e na companhia dos guias do Parque, mediante reserva (verifique os números a chamar no local do Parque e lembre-se de reservar com antecedência).

Imediatamente o caminhante é atingido pela fragrância dos odores que fazem cócegas nas narinas. O sal e a vegetação competem, de facto, ao recordar fragrâncias que, nas cidades, são agora esquecidas.

Ao longo do caminho pode-se ver um arbusto sempre verde típico do lugar, o Lentisk (Pistacia lentiscus), cujas bagas características (de cor preta quando maduras) forneciam a gordura alimentar vegetal mais consumida depois do azeite de oliva, que se destinava principalmente às mesas dos ricos.

Com uma última descida íngreme e desafiante chegamos à “Cala Coticcio”, constituída por duas entradas, caracterizadas por areia fina e água extremamente transparente. Aqui podemos apreciar a paisagem e uma imersão total nesta natureza não contaminada, ouvindo o silêncio, quebrado apenas pelo vento e a contínua quebra das ondas sobre as rochas.

No caminho de regresso encontramos os verdadeiros habitantes da ilha, um bando de cabras de montanha que vivem na natureza. Descansam desfrutando da paisagem e do ar perfumado com salinidade.

Através da paisagem típica da ilha, caracterizada por formações graníticas, para as quais a erosão do vento imprimiu perfis invulgares e curiosos, e arbustos baixos com vista para belas enseadas e um mar não contaminado com mil tons de azul e verde, seguimos um caminho que se desenvolve entre o céu e o mar, praticável com a devida atenção, prudência e equipado com o equipamento adequado.

Todas as especialidades italianas podem ser encontradas em restaurantes locais.

Sugerimos especialidades tais como leitão assado, uma variedade de queijo de ovelha/caprino e carnes frias, servidas em cama de criação “Guttiau”.

Os grandes vinhos locais são também os tintos “Cannonau” e os brancos “Vermentino di Sardegna”.

La Maddalena tem uma boa capacidade de acolhimento. Consulte os sítios especializados em reservas.

  • elhor período para visitar: Durante todo o ano. Para excursões, recomenda-se os períodos mais frescos da Primavera e Outono, enquanto no Verão é preferível percorrer os caminhos durante as primeiras horas da manhã, para evitar as altas temperaturas da parte central do dia.
  • ligações úteis: Início – https://www.lamaddalenapark.it/

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *